Anuncio

Um rapaz de 24 anos foi encontrado morto dentro de um banheiro em uma festa de formandos de Medicina da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), nesta sexta-feira (1º). Um adolescente de 17 anos foi apreendido depois de confessar para as Polícias Civil e Militar que assassinou André Felipe Colares. Inicialmente, ele negou o crime.

O subtenente Celestino Rocha informou que a Polícia Militar foi acionada por volta das 6h para atender a uma ocorrência de estupro, na qual a vítima era o menor. Mas, ao chegarem a chácara onde o evento estava sendo realizado, os PMs foram informados de que havia um jovem morto no banheiro, irmão de um dos formandos.

Vários policiais civis e militares estiveram no local do crime (Foto: Michelly Oda/G1)Vários policiais civis e militares estiveram no local
do crime (Foto: Michelly Oda/G1)
De acordo com a PM, o rapaz apresentava um corte no pescoço e os olhos perfurados com palitos, além de outros ferimentos. Ele estava com as calças e a cueca abaixadas. Ao lado do corpo, havia cacos de vidro e uma embalagem semelhante a usada para acondicionar maconha. A perícia esteve no local e apreendeu roupas e uma garrafa de bebida. Familiares disseram que André Colares era homossexual.

“O adolescente falou que durante a noite se envolveu com dois rapazes, e depois os três entraram em luta corporal. Ele levou uma pancada na cabeça, ficou desacordado e acordou com as calças arriadas até o joelho. Aprofundando os levantamentos constatamos juntamente com a Polícia Civil que o adolescente era o autor do homicídio”, explica o subtenente.

O menor estava com um corte no dedo e, antes de confessar o crime, justificou que o ferimento foi causado pela faca que um dos supostos abusadores usava para ameaçá-lo. Disse também que morava na Bahia e que um primo o convidou para ir à festa. O adolescente ainda afirmou que havia ingerido bebidas alcoólicas, que toma remédios para depressão e que havia se relacionado com três mulheres durante a festa.

“Posteriormente ele confessou e falou que teve um desentendimento com a vítima. O vaso sanitário foi arrancado do local, subentende-se que houve uma briga violenta dentro do local”, fala Celestino Rocha. O motivo da discussão não foi esclarecido pelo menor, que afirmou que daria detalhes somente na presença do advogado dele.

Após confessar, o adolescente não informou se ele e André tiveram relações sexuais. Apesar dele estar sem a cueca, e uma cueca ter sido apreendida ao lado do corpo, a PM afirmou que somente a perícia poderá apontar se a peça íntima é do menor e se eles mantiveram relações. O adolescente foi levado para a delegacia e, até o início da noite desta sexta-feira, prestava depoimento.

Menor foi levado para prestar depoimento na Polícia Civil (Foto: Cida Silva / Arquivo Pessoal)Menor foi levado para prestar depoimento na
Polícia Civil (Foto: Cida Silva / Arquivo Pessoal)
Em nota, a Polícia Civil informou que o menor entrou em contradição diversas vezes, durante o depoimento. A PC afirmou não haver indícios de que o crime tenha motivações homofóbicas. As investigações seguem para apuração das circunstâncias e motivação do crime.

A comissão de formatura irá se reunir para decidir se as outras comemorações serão mantidas. Um irmão da dona da chácara onde a festa acontecia disse que ela estava passando mal e precisou ser medicada. O G1não conseguiu falar com a mulher.


Marcas de sangue
Em uma escola que funciona na frente da chácara onde o crime aconteceu foram encontradas marcas de sangue. Mas a polícia acredita, pela forma como as marcas estão no chão, que o sangue era de alguém que tentou cometer um furto no local.

Unimontes
Em nota, a Universidade Estadual De Montes Claros disse que lamenta profundamente a morte do ex-aluno, que foi da turma de 2013 do curso de Administração.

"Professores, pesquisadores e servidores do Departamento de Ciências da Administração também manifestam indignação com a morte do seu ex-aluno, que presidiu de forma dinâmica o Centro Acadêmico do curso e a Empresa Júnior de Administração. A Reitoria e a comunidade acadêmica repudiam toda ação de violência e discriminação e se solidarizam com os familiares e amigos do ex-aluno', diz a nota. G1

Postar um comentário

 
Top