terça-feira, 19 de julho de 2016

Mulher morre após se submeter a dieta e perder 45 quilos em menos de seis meses.

Emagrecer em pouco tempo é o desejo de muitas mulheres. Para atingir o objetivo, algumas acabam adotando dietas radicais, sem acompanhamento médico, que podem terminar de forma trágica. Foi dessa forma que a consultora Cintia Cunha, de 37 anos, morreu no último domingo. Segundo amigas próximas, a mulher, moradora da Zona Leste de São Paulo, iniciou uma dieta rigorosa em fevereiro, ingerindo apenas 400 calorias por dia – quando o ideal para as mulheres é consumir cerca de 2 mil diariamente. Após meses de internações em hospitais por conta de uma anemia profunda e infecções, ela acabou morrendo.

A overloquista Lucilene Peters conheceu Cintia no ano passado através do Facebook. As duas faziam parte de um grupo na rede social voltado para homens e mulheres acima do peso que, segundo ela, tem o objetivo de ajudar as pessoas a lidar com a obesidade. Segundo Lucilene, a obsessão de Cintia em emagrecer foi impulsionada em fevereiro, após ouvir de um rapaz que “era gorda e não conseguiria nada na vida dessa forma”. Na época, a mulher pesava cerca de 115 quilos, e já havia emagrecido uma parte dos 45 quilos.

– Depois desse comentário, ela surtou. Quis emagrecer a qualquer custo. Começou, então, a fazer uma dieta muito severa por conta própria, sem acompanhamento médico, à base de 400 calorias por dia. Ela só tomava suco, não comia mais nada, dizia que era para desintoxicar o organismo. O que aconteceu foi que a imunidade começou a baixar e, como já tinha problemas de saúde decorrentes da obesidade, ficou anêmica – conta a amiga.

Segundo Lucilene, a primeira internação foi em março e, a partir daí, os problemas só foram aumentando.

– Ela entrou no hospital com anemia e, como estava fraca, os problemas só foram aumentando: adquiriu uma infecção, pneumonia e teve problemas no fígado e no coração. Cada hora era uma coisa, passava dois, três dias em casa e já voltava ao hospital. Mesmo assim, ela nunca reclamou de sua condição, estava sempre sorrindo – lembra Lucilene.

A comerciante Madlon Tavares também fazia parte do grupo de apoio no Facebook. Segundo ela, além dos problemas causados pela dieta, Cintia sofria com os problemas decorrentes da obesidade mórbida. – Ela era hipertensa, tinha a pressão alta e era diabética. Sua perna chegou a ficar paralisada. Sentia muitas dores nas pernas, as articulações estavam muito desgastadas – lembra.

Os últimos meses foram de muita luta para Cintia. Segundo Lucilene, a amiga já não respondia às medicações e, como sentia muitas dores, vivia à base de morfina. Além disso, também não conseguia mais se levantar da cama. A morte ocorreu na madrugada de domingo, no Hospital da Luz, em Vila Mariana, após entrar em coma e sofrer falência múltipla dos órgãos.

– Ela era uma pessoa muito iluminada, sempre disposta a ajudar os outros. Estava sempre sorrindo, colocava todos para cima. Antes dessa dieta louca, chegou a fazer um acompanhamento nutricional, mas acho que ficou muito abalada com o comentário do rapaz sobre seu peso. O erro dela não foi querer emagrecer, foi fazê-lo da forma errada, muito rapidamente, e todo mundo sabe que não é saudável – diz Lucilene.

Madlon destaca que a mulher sempre foi muito confiante, e que, mais do que qualquer coisa, queria emagrecer para ter qualidade de vida.

– Ela era muito bem resolvida, uma pessoa muito positiva. Dizia que não aceitaria que ninguém a colocasse para baixo. Tinha a autoestima muito boa. Mas, apesar disso, seu psicológico foi abalado com o comentário daquele homem. Acabou ficando deprimida – conta, destacando que a amiga perdeu 19 quilos em apenas 10 dias.

No dia 17 de abril, quando estava internada em um hospital, Cintia gravou um vídeo e o divulgou em sua página do Facebook. Durante a gravação, ela alertou que “isso era resultado de um emagrecimento rápido, sem saúde e feito por conta própria” e que estava com “anemia profunda” e com “os órgãos em falência”: “um dia, uma pessoa me falou que eu não seria ninguém se fosse gorda. E aí o que aconteceu? Emagreci 45 quilos em menos de seis meses. E o resultado é esse: vivo internada na UTI, doente e com risco de vida. Temos que procurar nos amar como somos. Se alguém quer emagrecer, acho que tem que fazê-lo por causa da saúde, e não motivado pela opinião alheia”, desabafou a mulher. O vídeo foi compartilhado mais de de sete mil vezes e teve quase 700 mil visualizações.

Fonte: Jornal Extra
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK