quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Paciente acha médico dormindo, joga água para acordá-lo e acaba apanhando.

Um paciente afirma que foi agredido por um médico dentro do Pronto Socorro Agenor de campos, em Mongaguá, no litoral de São Paulo, no último sábado (3). De acordo com a vítima das agressões físicas, ele encontrou o médico dormindo durante o expediente após esperar quase uma hora para ser atendido e resolveu jogar um balde d’água no profissional.

Paciente ficou ferido após médico ter sido molhado em Mongaguá (Foto: Rodrigo Rodrigues / Arquivo Pessoal)Paciente ficou ferido após médico ter sido molhado
(Foto: Rodrigo Rodrigues / Arquivo Pessoal)
Rodrigo Rodrigues da Silva, de 30 anos, conta que vai até o Pronto Socorro regularmente por causa de problemas respiratórios. “Estou indo direto no PS com problema de bronquite. Já na semana passada eu cheguei na unidade de saúde e uma enfermeira me disse que o médico estava dormindo e só iria atender caso tivessem cinco fichas na mesa dele”, afirma.

Nesse dia, Rodrigo conta que foi atendido por um enfermeiro que se solidarizou com a situação dele. “Ele viu que eu estava ruim, preparou uma máscara e fiz a inalação. Depois disso, eu fiquei bem e fui pra casa”, conta.

Há exatamente quatro dias, ele voltou a apresentar problemas respiratórios e decidiu retornar ao Pronto Socorro, quando se deparou com a mesma situação novamente. “Fiquei aguardando por cerca de 40 minutos e chamei a enfermeira, que me avisou que ele estava dormindo. Depois disso, eu peguei um balde com água, que estava na sala, entrei no consultório e o vi deitado em uma maca com um cobertor e joguei nele”, afirma Rodrigo.

Ao entrar na sala, ele afirma que o médico notou a movimentação e se levantou pouco antes do balde ter sido esvaziado. “Eu nem acertei ele em cheio, pegou só na perna, mas assim que ele se molhou, um enfermeiro e um motorista de ambulância chegaram e me seguraram. Nesse momento, ele me deu um soco no olho com toda a força”.

Mesmo atordoado, o paciente afirma que ainda conseguiu ver o momento em que o enfermeiro e o motorista correram para segurar o médico. “Só soltaram ele quando a polícia chegou ou ele teria me matado. Depois disso, os policiais me levaram até Pronto Socorro Vera Cruz, onde fui medicado e então prestei depoimento na delegacia sede, onde registrei um boletim de ocorrência”, diz ele.

O G1 entrou em contato com a prefeitura de Mongaguá, que afirmou que só irá se manifestar sobre o caso nesta quarta-feira (7). Rodrigo afirma que não voltou mais ao Pronto Socorro.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK