terça-feira, 25 de outubro de 2016

Justiça condena Valdemiro a devolver R$ 7 mil a fiel que ofertou e não foi curado de câncer.

A Igreja Mundial do Poder de Deus, liderada por Valdemiro Santiago, foi sentenciada a devolver a um fiel a oferta feita por ele na esperança de conseguir a cura de um câncer. O valor, corrigido desde junho de 2013, será de R$ 7 mil.

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul anulou doação feita pelo fiel, que é aposentado e luta contra um câncer. Ele moveu uma ação anulatória de doação cumulada com pedido de indenização por danos morais contra a igreja, no valor de R$ 20 mil, por ter sido iludido na sua boa-fé, já que a promessa de cura não se concretizou.

Em sua defesa, a Mundial alegou que a doação foi feita de livre e espontânea vontade, sem nenhuma manipulação por parte de sua liderança, além de negar a coação, já que considera que a doença não reduziu as faculdades mentais do fiel.

Segundo informações do site Consultor Jurídico, em primeira instância, a Vara Judicial da Comarca de Nova Petrópolis julgou os pedidos improcedentes. Na sentença, o juiz Franklin de Oliveira Netto disse que a prova apresentada não foi capaz de eliminar a dúvida sobre a existência de coação moral ou ardil na transferência do dinheiro para a igreja, e observou o fato de não terem sido arroladas testemunhas no processo.

O fiel recorreu e o desembargador Tasso Soares Delabary, relator da apelação, concordou com o juiz de primeiro-grau, frisando não ter identificado coação moral que impedisse o livre-arbítrio. “Destarte, embora seja sensível à situação pessoal do autor, portador de neoplasia maligna, bem como não desconheça de certas práticas reprováveis adotadas por alguns líderes espirituais para a captação de recursos paras os templos religiosos, não havendo um mínimo de prova de vício de consentimento e nem de abuso de direito, inviável o pleito indenizatório postulado”.

No entanto, outro integrante do colegiado, desembargador Carlos Eduardo Richinitti, abriu a divergência, frisando que quando a fé é misturada ao dinheiro, a questão não se resume apenas de opção religiosa, e por isso, o correto seria examinar o assunto como negócio jurídico, e assim, analisar o contexto: “As doações, que, em verdade, não poucas vezes representam a compra de conforto mediante a promessa de uma vida terrena ou celestial melhor — ou, como no caso específico dos autos, de cura para uma doença —, devem ser encaradas como um negócio”, asseverou. Ele foi seguido pela maioria dos juízes em seu voto, dando ganho de causa ao fiel

Richinitti usou como exemplo a própria Igreja Mundial, onde é possível ver promessas de milagres e pedidos de doações — que podem ser feitas online, em dinheiro, em cartão, à vista ou em prestações. Segundo o desembargador, o mercado da fé se tornou um grande negócio, e como tal deve ser visto.

Fonte: Gospel Mais
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK