Condenado nos EUA sentença de brumadense pego com milhões no colchão sai em 30 dias - MACAUBENSE LIFE

Agora

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Condenado nos EUA sentença de brumadense pego com milhões no colchão sai em 30 dias


Cleber Rene Rizerio Rocha, preso no início de 2017 tentando lavar US$ 20 milhões em fundos da pirâmide financeira roubados, após um pedido de culpa em outubro, foi condenado no último dia 20 de dezembro. 

Um dia antes ele apresentou uma moção suplementar exigindo que seus advogados necessitassem de mais tempo para abordar questões e preocupações levantadas por Rocha e membros de sua família no Brasil. Dadas as questões linguísticas e culturais e outros desafios, esse processo levou mais tempo e foi mais difícil do que o previsto. O motivo desse pedido tem a ver com problemas de comunicação privilegiando os advogado de Cleber. A Justiça americana também negou o pedido de deportação feito pela defesa de Rizerio.

A recuperação do dinheiro encontrado no colchão, reverteu para o fundo de compensação de vítimas da Telexfree. Se Rocha tivesse sucesso na “lavegem” do dinheiro, as vítimas de Wanzeler não teriam visto um centavo.

Defesa o tentou colocar como “vítima”
Os advogados de Rocha o compararam às verdadeiras vítimas da TelexFree. Dizem eles: A realidade é que o Sr. Rocha tornou-se uma vítima do sistema Telexfree, uma intrincada empresa criminal administrada por Carlos Wanzeler, James Merrill, Leo Casula e outros que já vitimaram mais de 1,8 milhão de pessoas. Em contraste com o memorando das “lágrimas de crocodilo” de Rocha, a SEC alega que ele foi um membro confiável de uma conspiração para lavar US$ 20.000.000 em receitas de um esquema de pirâmide financeira global.

Rocha também estava familiarizado com a TelexFree. Os registros da TelexFree confirmam que ele era um investidor da TelexFree e, durante sua entrevista, explicou aos agentes como os créditos on-line da TelexFree poderiam ser vendidos a outros investidores por dinheiro. Rocha disse aos agentes que ele era o único que mantinha e distribuía o dinheiro oculto de Wanzeler nos Estados Unidos.

Rocha não era alheio a nenhum detalhe da operação, ele sabia que estava movendo enormes quantidades de dinheiro dos Estados Unidos e sabia que estava ajudando a mover o dinheiro para fora ilegalmente. Em suma, Rocha sabia exatamente o que estava fazendo e fazia mais de uma vez. Ele não foi seduzido pelo charme de Carlos Wanzeler. 

Ele não foi enganado ou manipulado. Ele não é um inocente impressionável, preso em uma rede de crime e intriga. A Justiça pede a perda dos ativos e 40 meses de prisão (3,3 anos), seguido de três anos de supervisão. A audiência de sentença da Rocha foi adiada para o dia 8 de fevereiro, data que ele aguarda já preso. [Informações e fotos do blog do Marcelo]

Nenhum comentário:

Postar um comentário