Governo da Bahia assina acordo com a Rússia para submeter vacina Sputnik V a testes - MACAUBENSE LIFE

Agora

Post Top Ad

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Governo da Bahia assina acordo com a Rússia para submeter vacina Sputnik V a testes

O governo da Bahia concluiu na terça-feira (8) o acordo de confidencialidade com o governo da Rússia para que todas as informações científicas da vacina contra a Covid-19 russa "Sputinik V" sejam repassadas para a Bahiafarma. Na prática, o acordo marca um avanço nas negociações entre Rússia e Bahia, que a partir de agora poderá ter acesso à de tecnologia usada na produção do imunizante.


De acordo com o governo, o próximo passo é a instituição decidir se vai dar seguimento no projeto. O protocolo do governo russo será submetido ao comitê de ética do Instituto Couto Maia, depois ao Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conepe), em Brasília - e também à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Nós estamos em negociação com a Rússia já há duas semanas. Semana passada nós tivemos duas reuniões, uma na quinta e uma na sexta. E nós assinamos um, já havíamos assinado um memorando de entendimentos visando iniciar as tratativas pra testar aqui no Brasil a vacina russa Sputinik V", disse o secretário de saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

"E ontem nós concluímos o acordo de confidencialidade que é um documento em que a gente se compromete a receber informações sigilosas deles, tratar de forma interna, confidencial, e a partir disso decidirmos, com base no que a gente vai ver, se a gente quer dar seguimento no projeto".

Caso haja aprovação entre todas as partes, o governo pretende iniciar o estudo da vacina russa na Bahia dentro de um mês, em 500 participantes.

Na sexta-feira (4), um estudo com resultados preliminares publicado na revista científica "The Lancet", uma das mais importantes do mundo, indicou que a vacina da Rússia para a Covid-19 não teve efeitos adversos e induziu resposta imune. Os cientistas russos reconheceram a necessidade de mais testes para comprovar a eficácia da vacina.

Chamada de "Sputnik V", a imunização foi registrada no mês passado na Rússia, mas a falta de estudos publicados sobre os testes gerou desconfiança entre a comunidade internacional.

No Brasil, o governo do Paraná firmou uma parceria para desenvolver a vacina russa. Os testes no país devem começar em outubro e dependem da liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A Rússia liberou sua vacina contra a Covid-19 para o público em geral, anunciou o Ministério da Saúde do país na terça-feira (8).

Segundo o comunicado, o primeiro lote de vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Epidemiologia e Microbiologia, passou nos testes de qualidade e foi liberada para a população civil. O Ministério diz ainda que a entrega de fato dos primeiros lotes está prevista para um futuro próximo, mas não especifica datas.

Suspensão da vacina de Oxford
Os testes da vacina contra a Covid-19 desenvolvida em conjunto pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca foram suspensos temporariamente, conforme anunciou a empresa na terça-feira (8).

A farmacêutica esclareceu que o protocolo de segurança foi acionado após um dos voluntários no Reino Unido apresentar reação adversa que pode estar vinculada à vacina.

A empresa não divulgou detalhes do caso, mas o jornal "The New York Times" informou que o paciente teve mielite transversa, uma síndrome inflamatória que afeta a medula espinhal (leia mais abaixo).

A Bahia é o único estado do Nordeste a testar vacina contra a Covid-19. A vacina desenvolvida em conjunto pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca estava sendo testada no país e voluntários baianos já receberam a dose. O teste era feito em parceria com o Hospital São Rafael. // G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad